Carregando... Aguarde...
Home
ENCAPSULADOS
Ervas
Tempero
TINTURA

Newsletter



Passe o mouse na imagem para zoom

  • Na medicina popular, é considerada um ótimo fitoterápico diurético, anti-inflamatório e antirreumático, dotado de flavonoides, que são bastante empregados no auxílio à eliminação de pedras nos rins, excesso de ácido úrico e toxinas. A aplicação de compressa quente com o chá é recomendada para gota reumática e dores nevrálgicas.

Pele sem manchas, cravos e espinhas é outro benefício proporcionado pela chapéu-de-couro. Seu consumo pode ser como chá elaborado com as folhas, ingestão de cápsulas e extratos.



CHAPEU DE COURO
Avaliação dos clientes: ( )

Preço: R$ 10,00





Compartilhe




  • Descriçao do Produto
  • Comentários de Clientes
  • Video do Produto

ARTIGO: Chapéu de Couro

Chapéu de Couro (Echinodorus macrophyllus)

Chapéu-se-Couro, nome estranho para uma planta que nada tem de chapéu e nem de couro. Este nome provavelmente foi dado pela população devido ao seu aspecto áspero, rústico, parecido com o próprio couro. Normalmente encontra-se plantas com folhas grossas e coriáceas (parecida a couro) em locais de pouca água, como caatinga e cerrados, sendo uma defesa da planta para evitar a perda de água excessiva. Mas no caso do Chapéu-de-Couro

 é estranhamente diferente, pois ele vegeta em locais alagados, ou seja, ele precisa de um filme de água sobre o solo para poder se desenvolver. Acredito que seja justamente isto que tenha chamado a atenção da população, pois apresenta aspectos de vegetação onde normalmente tem pouca disponibilidade de água, sem estranho vegetar em local alagado.  

Normalmente o Chapéu-de-Couro se distribuía em várzeas, beiradas de córregos e lagoas por toda a nossa região, mas atualmente, devido ao desmatamento, é praticamente impossível encontrar um exemplar em nossa região. Ainda pode ser encontrado com facilidade na Serra do Mar, sendo que cobre extensões enormes de terrenos alagadiços. Na região de Ubatuba e Caraguatatuba tive a oportunidade de ver o Chapéu-de-Couro tomando conta de áreas enormes, com folhas gigantescas. No Rio de Janeiro ele também vegeta muito bem, e é muito utilizado pela população, sendo que no interior existe até uma fábrica de refrigerante desta planta. Com folhas arredondadas, enormes, podendo atingir mais de meio metro de diâmetro, de coloração verde escuro e pecíolo bem comprido e grosso, ela chama a atenção pela sua beleza, principalmente quando está florida. Não se consegue cultivar em terreno seco, obrigatoriamente deve ser cultivada em local inundado.

Afinal de contas para que serve o Chapéu-de-Couro ?

Possui uma ação incrível no sistema urinário. Possui ação diurética, auxilia na eliminação de pedras, faz uma verdadeira assepsia nas vias urinárias. O Chapéu-de-Couro é o famoso curinga para o sistema urinário, quando existe um problema neste sistema e não se consegue saber exatamente o que é, e qual medicamente empregar, normalmente o Chapéu-de-Couro é o fitoterápico escolhido. Também apresenta um efeito depurativo muito acentuado, sendo empregado normalmente para vários tipos de doenças de pele e com resultado ótimo para o excesso de ácido úrico. Ele pode ser consumido na forma de chá, tintura, cápsulas e extrato fluído. Em casos mais graves, mais agudos, onde se deseja uma resposta rápida, é mais recomendado o uso do estrato fluido. Em casos mais crônicos o uso do chá pode ser uma excelente alternativa.

 



 

 

Planta comum à beira dos rios brasileiros, o chapéu-de-couro (Echinodorus macrophyllus) é também chamado de chá-mineiro, chá-de-campanha, erva-do-pântano e erva-do-brejo. Planta ereta, que pode atingir de 1 a 1,5m de altura, com flores hermafroditas bastante numerosas. Ocorre de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul. O uso constante de chapéu-de-couro faz com que, em pouco tempo, os efeitos benéficos da planta sejam sentidos em todo o organismo. As manchas, cravos e espinhas desaparecem da pele; a energia e o bem-estar voltam, o humor melhora. Isto acontece porque as folhas desta planta brasileira fazem os rins, o fígado e os intestinos funcionarem melhor, eliminando todas as toxinas que, permanecendo no corpo, comprometem a saúde. Além disso, ela ainda tem boa atuação na depuração do sangue, o que a torna indicada como remédio auxiliar no tratamento de artroses, do ácido úrico, do artritismo e das demais formas de reumatismo. Poderoso anti-séptico das vias urinárias. O chá também é indicado nos regimes de emagrecimento, já que além de ajudar na eliminação da água e da gordura, fortalece os nervos e aumenta a energia. 

Chapéu de Couro possui uma excelente ação antiinflamatória provavelmente devido a presença de flavonóides. Seu uso contra reumatismo, furúnculos e eczemas é suportado por várias séries clínicas não controladas. Os flavonóides exibem também ação diurética. Os glicosídeos heterosídeos possuem atividade cardiotônica induzindo resposta inotrópica positiva. Os taninos atuam nas mucosas produzindo uma película protetora do epitélio, e promovendo uma ação antisséptica do local, por isso apresentam resultados clínicos positivos em úlceras infectadas e processos infecciosos nas mucosas. Os extratos de Chapéu de Couro possuem uma potente propriedade diurética, por aumento da taxa de filtração glomerular e aumento do débito urinário. Com isto estimula a eliminação de substâncias que são filtradas passivamente como algumas toxinas e o ácido úrico. O iodo orgânico presente em sua composição é responsável por sua atuação na função da glândula tireóide, podendo tanto ativar quanto inibir a secreção de T3 e T4. 

Estudo realizado no Instituto Oswaldo Cruz (IOC) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) comprovou, por meio de testes in vitro e em animais, o efeito vasodilatador do extrato da planta brasileira Echinodorus grandiflorus, popularmente conhecida como chapéu-de-couro. Se confirmado o mesmo efeito em humanos, o composto poderá ser usado no tratamento crônico da hipertensão arterial. O chapéu-de-couro, planta encontrada em todo o Brasil, principalmente na região Sudeste, já era usado popularmente no tratamento da hipertensão arterial. Há cinco anos, pesquisadores do Laboratório de Farmacologia Neuro-Cardiovascular do IOC, em colaboração com o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), também da Fiocruz, iniciaram os testes para avaliar os efeitos da planta.

A próxima etapa da pesquisa será a análise toxicológica do extrato, para avaliar possíveis efeitos tóxicos do composto no organismo. Em seguida, serão realizados estudos clínicos em pacientes. Se os resultados forem positivos, os pesquisadores pretendem desenvolver um medicamento fitoterápico contra hipertensão que seja tão eficaz quanto os convencionais. Segundo o farmacologista Eduardo Tibiriçá, chefe do Laboratório de Farmacologia Neuro-cardiovascular do IOC, os medicamentos fitoterápicos não exigem o isolamento do princípio ativo, ou seja, não é necessária a purificação do extrato da planta até que se encontre uma ou mais substâncias responsáveis pelo efeito estudado. Além disso, a produção do fitoterápico deve usar um extrato padronizado a partir de um lote único de plantas, retiradas de um mesmo local e com as mesmas características químicas. “Com o uso do extrato bruto da planta, o tempo e o custo de produção são menores, já que não há gastos com o processo de purificação”, destaca. 

Embora o chapéu-de-couro seja usado popularmente como anti-hipertensivo, o farmacologista ressalta que mesmo os medicamentos feitos à base de plantas podem oferecer riscos à saúde, o que evidencia a necessidade da análise científica. “Assim como qualquer outro medicamento, os fitoterápicos devem ser desenvolvidos cientificamente, atendendo às exigências estabelecidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), entre elas a padronização do extrato e a comprovação de sua eficácia e segurança.” Segundo Tibiriçá, a equipe enfrenta dificuldades para dar continuidade às pesquisas. “A solução pode ser a parceria com alguma indústria farmacêutica, em um processo de transferência de tecnologia, ou até com o Ministério da Saúde, já que as doenças cardiovasculares, entre elas, a hipertensão arterial, são responsáveis por um terço da mortalidade no Brasil.” 

Eduardo Vera Tibiriçá possui graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1980), residência médica em Anestesiologia pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982), mestrado em Diplôme D'études Approfondies (Área Farmacologia) - Université Louis Pasteur (1987) e doutorado em Farmacologia Celular e Molecular - Université Louis Pasteur, Strasbourg, França (1990). Atualmente é Pesquisador Titular do Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz e Professor Visitante da Faculdade de Ciências Médicas da Uiversidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Farmacologia, com ênfase em Farmacologia Cardiorenal, atuando principalmente nos seguintes temas: fisiologia e farmacologia cardiovascular, farmacologia de produtos naturais, reatividade microvascular em doenças cardiometabólicas (hipertensão arterial e diabetes).

Fonte: 
http://www.professorberti.hpg.ig.com.br/plantasmedicinais/plantcdef.htm 
http://www.aloevita.com.br/prod/prods3/couro.htm 
acesso em julho de 2002
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=51112 
acesso em outubro de 2007 
http://cienciahoje.uol.com.br/102165 
acesso em junho de 2008 
http://lattes.cnpq.br/2089394406081512 
acesso em outubro de 2008 
envie seus comentários para otimistarj@gmail.com. 
 

Pedido Fone 43 3325 5103

Digite uma descrição para este produto aqui...

Escreva seu próprio comentário para o produto

Comentários Enviados

Este produto não recebeu nenhum comentário até agora. Seja o primeiro e enviar um comentário para este produto!