Carregando... Aguarde...
Home
ENCAPSULADOS
Ervas
Tempero
TINTURA

Newsletter



Passe o mouse na imagem para zoom

  • Nome popular: Erva-de-são-joão, Mentrasto.

Nome científico: Ageratum conyzoides L.

Família: Compositae (Asteraceae).

Origem: América tropical.

Propriedades: É muito c

Características: Erva anual, aromática, com até 1 metro de altura. É muito comum nas áreas úmidas do nordeste brasileiro, principalmente nas serras. É uma planta cosmopolita tropical, considerada invasora de culturas e áreas não cultivadas.

Parte usada: Toda a parte aérea.

Usos: Estudos etnofarmacológicos atribuem a esta planta propriedades hemostática (estanca sangue) e cicatrizante de ferimentos. Nos ensaios farmacológicos com órgãos isolados, seus extratos inibiram contrações intestinais e exerceram um efeito depressor cardíaco, bem como leve inibição de tumores do tipo Walker 256, ao nível de 43%. 

Experimentos clínicos comprovaram sua atividade analgésica nas dores crônicas de pacientes acometidos por artrose, efeitos com alguns dias de uso acompanhado de antiinflamatório. Apesar dos resultados pré-clínicos e clínicos favoráveis ao uso desta planta como fitoterápico, seus princípios ativos medicinais ainda não estão quimicamente determinados. Sua administração, preparação analgésica e antiinflamatória, como anti-reumática e para alívio das cólicas menstruais, pode ser feita com as folhas ou toda a parte aérea da planta recentemente colhida, ou ainda com a planta triturada depois de seca e estabilizada.

Forma de uso / dosagem indicada: Emprega-se o cozimento (decocto) feito com 30 a 40 gramas da planta fresca em meio litro de água ou 15 a 20 gramas da planta seca, que deve ser tomada em três doses diárias, de uma xícara (de chá) de cada vez. Pode-se usar também o pó das folhas na dose de uma colher (de café) três vezes ao dia, misturado com mel, leite, ou água. 

Externamente, pode-se usar o extrato alcoólico a 20% ou ungüento de uso local, em compressas e fricções, nos casos de dores articulares de origem reumática ou conseqüente a traumatismos.

Atenção: Considerando a ação tóxica ao fígado dos alcalóides, é recomendável que sejam usados para fins medicinais, somente as plantas que estejam em estado vegetativo, ou seja, sem flores.

Referências bibliográficas: 
Lorenzi, H. et al. 2002. Plantas Medicinais no Brasil.
Vieira, L. S. 1992. Fitoterapia da Amazôni

A Erva de São João é excelente para tratar depressões, quadros de nervosismo e inquietação. Tenho experiência pessoal como o Erva de São João, quando tomo ao deitar durmo profundamente e até sonho mais do que o normal.

 

Desta forma, identifiquei na erva de São João os benefícios de um calmante, sem os inconvenientes que os calmantes alopáticos trazem.

 

Do site saúde.sapo destaco: ? A hipericina (o principal composto) possui actividade anti-microbiana e anti-cancerígena, para além de um efeito antidepressivo. A hiperforina tem também uma acção antidepressiva, mas por um mecanismo fisiológico diferente. Outros componentes, como os taninos e o óleo essencial, conferem à planta uma actividade anti-séptica e cicatrizante. Os flavonóides têm um efeito anti-inflamatório e vasoprotector capilar. O conjunto de todos estes componentes e respectivas actividades fazem desta planta, pela via interna, uma óptima ajuda nos casos de depressão moderada, ansiedade, distúrbios do sono em idosos e agitação?

 

O artigo completo pode lido em: http://saude.sapo.pt/100_natural/artigos/geral/guia_medicinal/ver.html?id=894519

 

Encontramos a Erva de São João na forma de chá, em cápsulas ou drágeas com o nome de Hypericum perforatum ou Hipérico.

Alguma confusão é causada porque:

"existe no Brasil, uma espécie chamada "erva-de-São João" (Ageratum conyzoides, também conhecida por "mentrasto" e por "picão-roxo") que, obviamente, não é a mesma e nem possui nenhuma semelhança na forma, na taxonomia (classificação botânica) ou nas atividades terapêuticas que encerra.

Este mentrasto (Ageratum conyzoides) é planta muito comum no território brasileiro, ocorrendo nos terrenos abandonados, à beira dos caminhos e como invasora de culturas. É também planta de uso terapêutico, mas com outras propriedades e indicações."   publicado no site http://www.redetec.org.br/inventabrasil/esjoao.htm


 

Existem algumas contra indicações que precisam ser observadas e também recomenda-se doses moderadas, principalmente para que ainda não usou a essa erva. 

 

Importante ressaltar que por recente decisão da Anvisa a Kava Kava e a Erva de São João passaram a ter tarja vermelha, ou seja, devem ser indicadas por médicos. Isso não invalida os incontestáveis benefícios dessas ervas todavia, as recomendações da Anvisa e supervisão médica deve ser considerada.

http://www.anvisa.gov.br/DIVULGA/NOTICIAS/2002/060302.htm



ERVA TOSTÃO
Avaliação dos clientes: ( )

Preço: R$ 10,00





Compartilhe




  • Descriçao do Produto
  • Comentários de Clientes
  • Video do Produto
Descrição :   da família das Nyctaginaceae. Também conhecida como agarra-pinto, amarra-pinto, batata-de-porco, beldroega-grande, bredo-de-porco, celidônia, pega-pinto, solidônia, tangará, tangaracá. Erva rasteira de caule com pêlos, abundantes em todas as regiões brasileiras. Folhas verdes na face superior e esbranquiçadas na inferior.   pequenas, rosas-arroxeadas, raiz de cor rósea na parte externa e branca internamente e de sabor picante

Parte utilizada:
 raízes. 
Princípios Ativos: ácido boerhávico, amido, boerhavina, lipídeos, matéria sacarina, sais inorgânicos (nitratos), substâncias pécticas e gomosas. 

Propriedades medicinais:
 antiblenorrágica, antidispéptica, anti-hidrópica, antileucorréica, antinefrítica, desobstruente, diurética, peitoral. 

Indicações:
 afecções hepáticas, albuminúria, anúria, baço, béri-béri, cálculo biliar, cistite, congestão hepática, dispepsia, distúrbio estomacal, edema, engorgitamento do baço, febre biliosa, fígado, hemoptise, hepatite, icterícia, nefrite, nervosismo, picada de cobras, vesícula biliar, retenção de urina, uretrite, vias urinárias. 

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada. Porém nenhuma planta deve ser consumida em excesso e nenhum tratamento deve ser feito sem orientação médica.

Modo de usar: -decocção de 20 g de raíz fresca ou 10 g de raiz seca em um litro de água. Depois que ferver deixe durante 10 a 15 minutos. Após, tapar e deixar esfriar. Tomam-se 4 a 5 xícaras ao dia.

Escreva seu próprio comentário para o produto

Comentários Enviados

Este produto não recebeu nenhum comentário até agora. Seja o primeiro e enviar um comentário para este produto!